sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Nana Buluku e Aido-Hwedo

Acrílica de Suzanne Iles

O povo Fon acreditava que, antes da Terra ser criada por Nana Buluku, o deus criador gerou o dragão macho e fêmea Aido-Hwedo como sua companhia. O dragão multicor era capaz de se mover tanto pela terra quanto pelos céus com a mesma habilidade, e carregava Nana Buluku em sua boca. Viajaram juntos por todos os cantos, criando tudo que conhecemos. Acredita-se que o relevo da terra tenha sido feito pela boca do dragão e seus excrementos.

Depois de tudo pronto, os dois pararam para descansar. Nana Buluku achou que a Terra não suportaria o próprio peso e pediu para Aido-Hwedo ficar sob ela, sustentando o mundo em seu corpo enrolado. Para que o dragão não morresse de calor ou de sede, Nana Buluku encheu os oceanos. O deus criou também dois macacos vermelhos que ficariam trazendo barras de ferro como alimento para o dragão. Diz-se que, quando os macacos não encontram ferro, Aido-Hwedo se desespera de fome e tenta comer o próprio rabo. A dor é tão intensa que gera desastres naturais, como terremotos, erupções vulcânicas e maremotos. O povo Fon acredita que, um dia, Aido-Hwedo irá consumir o subterrâneo e a Terra será destruída.

Pelo seu formato alongado, muitos citam Aido-Hwedo como uma serpente alada multicolorida, criatura que aparece em várias outras mitologias, como a australiana e a asteca. Existem relatos que a relacionam com o deus Oxumaré de outros povos africanos (e também do Brasil).

Nana Buluku também é chamado de Mawu-Lisa, que seria, na verdade, os nomes de seus filhos gêmeos ou a divisão de seus gêneros.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Percy Jackson - O mar de monstros

Perdão se volto ao assunto dos livros da série de Percy Jackson, mas comecei a lê-los e pretendo terminá-los (um dia...). Não vou desvendar o segundo volume das aventuras do garoto semideus como fiz com o primeiro e com o filme adaptado. Mas gostaria de citar alguns pontos mitológicos, tentando não contar segredos.

O segundo livro se baseia em duas grandes aventuras da mitologia grega: a Odisseia e os Argonautas. A Odisseia é um poema épico de Homero que conta a viagem de Ulisses de volta para casa. No caminho, inúmeros perigos como Caribdis, o ciclope Polifemo e os tais lotófagos que pareceram no Cassino em Las Vegas do primeiro livro/filme. Os Argonautas são um grupo de heróis que se juntaram a Jasão para recuperar seu trono indo atrás do Velocino de Ouro na Cólquida. Dito isso, fica meio óbvio quais serão os perigos e qual é o objetivo, não?

Temos vários personagens novos e alguns que já apareceram, mas são mais desenvolvidos pelo autor (como Clarisse, filha de Ares). Fala-se em: lestrigões, Ganimedes, Hermes, ciclopes, cavalos marinhos gregos (que são cavalos com rabo de peixe), sereias (com uma descrição que me surpreendeu), harpias, Circe, Píton, centauros e por aí vai. Percy, Annabeth, Grover e Quíron estão de volta, assim como o traidor Luke.

A linha dos livros parece realmente seguir bem de perto a série Harry Potter. Neste livro, continuam as tentativas de reviver o titã Cronos (Voldermort?) e ficamos sabendo de uma profecia que coloca Percy como uma arma que pode se virar contra os deuses. Fora isso... vocês já perceberam que também temos um trio de protagonistas: Percy (Harry, o deslocado herói), Annabeth (Hermione, a inteligente) e Grover (Ron, o alívio cômico)?

Continua sendo interessante ver como o autor transpõe a mitologia grega para os dias atuais, como, por exemplo, Hermes sendo o verdadeiro mensageiro dos deuses com camisa do correio e um caduceu que vira um celular, ou o Mar de Monstros do título que é o misterioso Triângulo das Bermudas. A entrada de Tântalo também é muito boa. No entanto, esse volume me deu a impressão de que é preciso ter algum conhecimento de mitologia para realmente entender as subtramas, pois muita coisa é explicada superficialmente e acaba ficando distorcido na transposição. Mesmo assim, é um bom ponto de entrada para os jovens no mundo da mitologia grega.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Fortuna

De início, ela era somente a personificação da riqueza, mas, com o tempo, Fortuna se tornou a deusa romana da sorte (fosse boa ou má) e da esperança. Tinha uma influência poderosa na vida das pessoas, porém imprevisível e aleatória, uma vez que ela costumava estar de olhos vendados. Dizia-se que ela girava sua roda constantemente, controlando a prosperidade dos povos, mas ignorando as ações humanas. E, assim, tornou-se uma deusa do desitno, dos caprichos da vida.

Era representada com uma roda de fiar (ou um timão) para guiar a vida das pessoas e a Cornucópia, um chifre que produzia abundância de riquezas. Esse chifre seria aquele que Júpiter quebrou da cabra Amaltéia - que foi sua ama de leite - e deu para sua filha Fortuna. Em alguns casos, aparecia como uma deusa alada.

Na Divina Comédia, Dama Fortuna aparece no Quarto Círculo do Inferno, onde ficavam os ambiciosos e perdulários, uma vez que ela era responsável pelos bens materiais. No entanto, não era vista como maligna ou culpada pelas ações incorretas dos homens.

Possui correspondência com a deusa grega Tiché.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

THOR!!!


Pra quem não sabe ainda, o deus escandinavo do trovão, Thor, terá sua versão dos quadrinhos Marvel transformada em um filme (2D e 3D) que estréia no dia 19 de abril aqui no Brasil (e uma semana depois nos EUA).



Thor é interpretado por Chris Hemsworth. Anthony Hopkins é seu pai Odin e Tom Hiddleston é seu meio-irmão Loki. A incrível Natalie Portman fará Jane Foster, interesse humano do deus. E ainda teremos Heimdall (Idris Elba, que está dando polêmica por ser negro), Lady Sif (Jaimie Alexander), Volstagg (Ray Stevenson), Hogun (Tadanobu Asano), Fandral (Josh Dallas), Frigga (Rene Russo), Laufey (Colm Feore) e os gigantes do gelo. A direção é de Kenneth Branagh, com um roteiro semelhante às HQs:
O poderoso Thor é o filho arrogante de Odin, rei dos deuses de Asgard, o céu escandinavo. Ele é banido para a Terra (ou Midgard) por suas ações intempestivas. Lá ele precisa conhecer a humildade para ser aceito nos salões divinos novamente. É onde ele conhece Jane Foster, uma cientista que pesquisa as dimensões. Seu meio-irmão, o traiçoeiro Loki, decide aproveitar a oportunidade para matá-lo e dominar Asgard com ajuda de criaturas de gelo e de uma armadura cósmica.


Nem preciso dizer que estarei presente e falarei por aqui, né?

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Yarilo


Yarilo (Erilo ou Jarilo) seria o filho perdido de Perun, seu décimo filho que teria nascido na noite da mudança de ano e roubado por Veles, arquiinimigo do deus. Veles teria criado Yarilo no Mundo Inferior, que teria ficado coberto de vegetação enquanto o deus esteve por lá (isso poderia ser uma referência à diferença de estações entre os hemisférios norte e sul). Yarilo tornou-se um belo jovem deus associado à agricultura e à primavera. Não se sabe dizer se ele tinha traços humanos ou se era um centauro.

Sobre as estações, duas são as possibilidades de leitura do mito de Yarilo. Uma seria que ele passaria metade do ano no hemisfério norte (com Perun no "céu") e a outra metade no hemisfério sul (com Veles no "inferno"). Essa leitura se assemelha a lenda grega de Perséfone e Deméter.

Outra leitura diz que, um dia, ele voltou cavalgando do além-mar, trazendo a primavera consigo. Sua irmã gêmea Morana (Marzanna), também uma deusa da natureza, notou sua chegada e se apaixonou. Ambos começaram um cortejo divino que terminou em um celebrado casamento que selou momentos de paz entre Perun e Veles e trouxe um período harmônico à Terra. No entanto, Yarilo era um deus lascivo e infiel, sendo considerado deus não só da fertilidade da terra, mas também da paixão e do sexo. Ele traiu sua esposa-irmã e acabou morto, mas não se sabe se foi Perun ou um de seus irmãos que o esquartejou. Morana tornou-se um deusa fria e mortal (referência ao inverno), até morer de desgosto no fim do ano. Sendo deuses da natureza, tanto Yarilo e Morana são cíclicos e renascem na virada do ano, iniciando o processo novamente.

Normalmente, no início da primavera, as aldeias coroavam uma virgem como rainha de Yarilo, na esperança de que as sementes recém-plantadas dessem frutos abundantes. As músicas desses rituais contavam que o deus estava retornando de uma terra distante através do oceano para trazer a primavera e abençoar as plantações (referenciando a primeira leitura de seu mito).

Yarilo foi associado ao São Jorge cristão, sendo ele o cavaleiro montado no cavalo branco que mata o dragão (Veles). Alguns estudiosos acham que várias de suas características se aproximam a Dionísio da mitologia grega.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Arte digital sobre mitos e lendas

Um post diferente hoje. A revista digital Revolutionart Magazine lançou hoje sua edição 28 com o tema Mitos e Lendas.


Ela é em PDF e seu download é gratuito. Seu objetivo é ser uma plataforma revolucionária, uma propaganda massiva para comunicar mensagens globais e fazer as pessoas pensarem. Quer servir como uma fonte de inspiração para artistas, modelos, publicitários, fotógrafos, designers e comunicadores em geral que desejam explorar novas alternativas de expressão por meio de amostras de design gráfico, fotografia, ilustração, anúncios, moda, música e geral das artes visuais.

Eu tô lá pela página 75 com o trabalho De onde vem os mitos!