terça-feira, 19 de abril de 2011

Iara

O mito da Iara (Uiara ou Mãe d'Água) é o equivalente brasileiro da sereia européia, que evoluiu entre os índios no século 18, introduzido pelos colonizadores encantados com a beleza exótica da mulher indígena e que, muitas vezes, apareciam mortos pelas mãos de outros índios. A miscigenação entre brancos e índios gerou uma nova mitologia cabocla onde o mito da Iara ganhou força.

Conta-se que, antes de ser essa figura fantástica, Iara era uma índia guerreira, a melhor de sua tribo. Seus irmãos invejavam os elogios que ela recebia do pai que era o pajé da tribo e resolveram matá-la quando ela estivesse dormindo. Mas Iara tinha a audição aguçada e acabou matando seus irmãos. Com medo de seu pai, fugiu. O furioso pajé iniciou uma busca implacável pela própria filha que terminou com ela sendo jogada no encontro do Rio Negro com o Rio Solimões (que originam o Rio Amazonas).

Encontro dos rios Negro e Solimões (Amazonas), que não se misturam por causa de uma propriedade química das águas.

Vários peixes a trouxeram à superfície em uma noite de lua cheia como uma sereia de longos cabelos e olhos verdes, beleza inesquecível e canto de uma melodia hipnótica e enlouquecedora que fazia os homens evitarem lagos e margens de rios ao entardecer. Ela atraía e seduzia pescadores com seu canto, com promessas de felicidade eterna se vivessem ao seu lado em seu palácio precioso no fundo do rio. Ainda podia se materializar em ariranha ou garça. Tornou-se, assim, protetora das águas - principalmente águas doces - e dos peixes.

Crianças também podiam ser atraídas. Neste caso, elas eram raptadas e levadas para o palácio da Iara no fundo dos rios, onde ficam aprendendo os segredos da manipulação de plantas, ervas, poções, remédios e magias para ser "devolvidos" depois de 7 anos como um grande xamã.

Uma lenda Tupi, diz que Iara era a mais formosa mulher da tribo – provavelmente irmã de Jaci, a mais bela índia que já havia se tornado a Lua. Por sua doçura, era amada pelos animais e pelas plantas, mantendo-se, entretanto, indiferente à seus admiradores. Numa quente tarde de verão, banhava-se em um rio quando foi surpreendida por um grupo de homens que a violentou e a matou. O espírito das águas trocou seus membros inferiores violados por uma cauda de peixe e a trouxe de volta à vida para se vingar.

Alguns estudiosos dizem que a Iara seria originalmente uma serpente, mas isso é um equívoco, uma vez que o mito não é originário do Brasil. Possivelmente houve uma mescla com o mito do Ipupiara.

PS.: Esse post é uma homenagem ao Dia do Índio!

2 comentários:

  1. Nossa cara, que foda, você teria alguns contos dela para postar? Continuo me surpreendendo com o blog/site, parabéns.


    -Gabriel Di Rocco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. q bom q vc está gostando, gabriel.

      vou te resumir o funcionamento deste blog: escrevo uma postagem sobre uma divindade/personagem mitológica com o máximo de informações q consigo no momento da criação. caso eu encontre informações relevantes de uma divindade/personagem mitológica q já esteja aqui, eu junto as informações mais relevantes e crio uma postagem de atualização.

      mas eu sempre dou prioridade às novidades. portanto, sugiro q vc nos acompanhe por aqui e pelo facebook para saber das últimas desses universos criados pela imaginação humana. abraço!

      Excluir