sábado, 28 de maio de 2011

A fúria deveria ser dos deuses!


Ontem tive a oportunidade de assistir as cenas deletadas do filme Fúria de Titãs (Clash of the Titans, 2010) que já falei por aqui em algumas ocasiões. Fiquei com a impressão que a fúria deveria ser dos deuses, porque TODAS... eu disse TODAS as cenas em que os outros deuses do Olimpo apareciam com alguma importância foram cortadas! Eles viraram somente um pano de fundo para as atuações de Liam Neeson (Zeus) e Ralph Fiennes (Hades)! A cena que Hades entra no Olimpo, tinha texto pra quase todos os deuses! Até Héstia (Jane March) aparecia, mostrando que eles fizeram o panteão grego e não o romano!


E também vi o final alternativo do filme que vou revelar aqui. Primeiro precisamos considerar que esse outro final só tem validade com as cenas que foram deletadas. Digo isso porque Apolo (Luke Evans), por exemplo, tinha suma importância! Para quem viu o filme, sabe que tem uma cena onde Zeus desce do Olimpo para ter uma conversinha com Perseu (Sam Worthington). Originalmente, quem descia era Apolo! Inclusive, se vocês perceberem, a moeda que Zeus dá para Perseu entrar no Mundo Subterrâneo é uma moeda solar: era Apolo, deus do sol, que dava a moeda!

No fim, quando Perseu se lança ao mar para salvar Andrômeda, eles se beijam num boca-a-boca submarino com uma certa química, que dá a entender que eles se aproximariam do final onde eles ficam juntos. Ou seja, nada de trazer a Io (Gemma Arterton) de volta - o que teria até mais sentido se falássemos do release que saiu sobre o possível segundo filme.

Depois, Perseu sobe ao Olimpo com Pégaso e entra no salão dos deuses (alguém aí viu/leu Percy Jackson? Pois é...). Zeus manda todos saírem e os dois discutem sobre a relação homem / deuses. Rola uma tensão com todo mundo achando que vai sair uma porradaria, mas Perseu finca sua espada no meio daquele "chão terrestre" e derruba todas aquelas miniaturas de humanos que os deuses usavam para jogar com a humanidade (quem viu o filme de 1981 entende isso melhor) numa metáfora do tipo "os deuses não nos controlam mais". No filme que saiu nos cinemas, as estátuas são destruídas com a chegada do Kraken, que afeta até o Olimpo.


Aliás, uma das cenas deletadas mostra que o Kraken também enfraquecia os deuses ao fazer com que os humanos tivessem medo deles e não devoção. Todo esse medo é canalizado por Hades que sairia poderoso dessa história... se não fosse Perseu e a Medusa.

Bom... confesso que as cenas divinas que foram cortadas estavam beirando a canastrice, mas acho que a trama seria melhor amarrada. Agora é esperar o próximo com mais liberdade de roteiro para saber o que vão inventar.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Nammu

Nos mitos sumérios, o mar primevo (abzu ou engur) é representado por Nammu (ou Namma). Ela é uma deusa sem cônjuge, o ventre de auto-procriação do universo, a matéria primordial, a grande mãe de todas as fontes de vida e fertilidade e de todos os deuses, que deu à luz An (o céu) e Ki (a terra). É a deusa que nutre e preserva. Seu nome tem o mesmo símbolo que os sumérios usavam para a palavra "mar", e era também chamada de A Deusa do Mar Doce.

Poderosa e afável, alguns diziam que ela foi à inspiração criativa para a humanidade. Exorcistas recorriam a ela para livrar possuídos do domínio de demônios. Sua representação era de uma mulher nua com cabeça de serpente, amamentando um de seus filhos divinos. Seus ombros largos significavam proteção e um triângulo púbico aludia à fertilidade, à vida.

É importante destacar como era comum encontrar esse tipo de divindade feminina (a força da Grande Deusa) nas mitologias das primeiras civilizações. Por exemplo, Nammu corresponde (e até se confunde em alguns pontos) a Tiamat na mitologia babilônica.

Mudando um pouquinho...

Está difícil manter uma regularidade por aqui... às vezes, os bons ventos me ajudam. Mas vou tentar me compromissar com pelo menos uma postagem por semana. Enquanto isso, percebam algumas novidades... (além do visual, né?)
  • Agora aí em cima temos duas abas (Biblio+Graphos e +Links) que possuem livros e sites que foram usados para fazer as postagens deste site. Anteriormente, estas informações ficavam na lateral do blog e ficavam meio atravancadas e perdidas. Com isso, ganham o devido destaque.
  • Outra modificação é na lupa de Mitologia Africana. No início, era chamada de Mitologia Afro-Brasileira, considerando que muitas lendas africanas se mesclavam nas religiões negras de nosso país. No entanto, também existia a lupa para Mitologia Brasileira, onde estavam as lendas de nosso folclore, mais voltadas para a cultura indígena. Resolvi, então, renomear tal lupa: a partir de agora, histórias que pertençam tanto a mitologia brasileira quanto a africana receberão as duas tags e serão encontradas pelas duas lupas. Garanto que sua pesquisa ficará bem mais rica.
É válido lembrar que cada postagem nova tem seus links revistos: se uma postagem nova se relaciona com uma postagem antiga, haverá links entre elas, ou seja, a postagem antiga ganhará um link para a nova postagem. Caso mais alguma modificação seja feita, ou até mesmo alguma atualização em um post que já foi escrito, eu avisarei em um post exclusivo, ok?

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Min

Min é um deus criador do Antigo Egito adorado como deus da sexualidade e da reprodução. Costumava ser representado com a pele negra segurando seu pênis ereto na mão esquerda e um mangual (ou chicote) na mão direita. Em sua cabeça, uma coroa de penas ou chifres de touro. Seus símbolos eram o touro branco, uma flecha farpada, e uma cama de alface egípcia, vegetal que os egípcios acreditavam ser um poderoso afrodisíaco por ser alta, retilínea e liberar uma substância leitosa quando friccionada (características superficialmente semelhantes as do pênis).

Como um deus da potência sexual masculina, era homenageado durante os ritos de coroação, quando o faraó era esperado para semear a sua semente - geralmente se pensa ter sido sementes de alface egípcia, embora se acredite que o faraó era esperado para demonstrar que ele poderia ejacular - e assim garantir a inundação anual do Nilo. No início da época de colheita, sua imagem era levada para fora do templo e levada para abençoar os campos, enquanto jogos nus eram realizados em sua homenagem. Muitas de suas estátuas e imagens foram destruídas com a chegada do Cristianismo.

Alguns estudiosos encontraram um lado destrutivo do deus, com representações suas carregando um raio (ou flecha farpada), como se fosse um deus da guerra. Mas hoje acredita-se em erro de traduções. Também foi ligado a Khnum por sua força criadora e fertilizadora no Nilo e até mesmo a Horus. Por conta dos rituais orgásticos em seu nome, foi associado a , na mitologia grega.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Ananta

Vishnu descansa sobre Ananta rodeado de outros deuses

Segundo os mitos, Ananta era uma gigantesca serpente de várias cabeças que ficava enrodilhada no fundo do mar, onde Vishnu descansava sobre seu corpo. Seu nome significa "infinito" em sânscrito e simbolizava, portanto, a eternidade e a ausência de tempo. Por essa razão, também é dito que Ananta é na verdade um epíteto de Vishnu: o Infindável. Era dito que o fogo de suas várias bocas seria o responsável por destruir o mundo ao final de cada era cósmica.

Ananta era uma das nagas da mitologia hindu. Acreditava-se que as nagas eram uma raça primeva de serpentes antropomorfizadas. Formou-se uma religião muito forte em torno das nagas, ao ponto delas serem consideradas símbolos de sabedoria. É confundida com outras nagas, como Sesha e Vasuki.

Vishnu reclinado sobre Ananta (1780-1790)

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Percy Jackson - O último olimpiano

E cheguei finalmente ao último livro da série Percy Jackson & Os olimpianos. O livro é a batalha final do início ao fim, de sua preparação à sua conclusão. Assim como os livros anteriores tinha um "herói-base", neste a história de Aquiles e Tróia são a referência.

O bom desse livro é que ele faz de tudo para não deixar ponta solta. Todas as relações são explicadas (mesmo que demoradamente) e amarradas de forma a fechar esse ciclo e possibilitar um novo, seja com esses personagens ou com outros. O autor faz de tudo para citar praticamente todos os personagens que passaram pela série e - de sobra - termina por caracterizar todos os 12 (13) olimpianos.

Por ser um livro infanto-juvenil, o final chega a ser previsível, com poucas novidades interessantes. A mortal Rachel Dare e os líderes dos chalés ganham destaque. Os deuses entram em combate, mas ficam em segundo (ou terceiro) plano. Ficamos conhecendo alguns outros deuses (chamados de deuses menores) e muitos outros titãs. Nenhum personagem surpreendente dessa vez, mas gostei de como foi escrito o tal "último olimpiano".

O que me incomodou foi a forma como foi tratada a relação entre realidade e mitologia que sempre foi bem resolvida nos livros anteriores. A batalha ocorre em toda a ilha de Manhattan, que é praticamente destruída. Um poderoso monstro devasta parte dos EUA. Tudo isso é transformado em tempestades naturais, enquanto o mundo não sabe o que acontece por causa de alguns "feitiços". Toda hora eu ficava me perguntando: "e os humanos? Como a Névoa modifica isso?". Pra mim, a barra foi forçada.

Bom... no fim das contas, é uma boa série para introduzir adolescentes no mundo da mitologia e da leitura. Pra quem se interessa, clique nos links a seguir para ver as postagens sobre cada livro ou na tag para ver tudo que já foi fala do sobre Percy Jackson por aqui.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Filme hercúleo

É... depois de achar o filão dos quadrinhos, Hollywood realmente resolveu se entremar pelo terreno da mitologia... Parece que o próximo será Hércules. E junta os dois assim como Thor!

O novo filme tenta se afastar de todas as outras versões cinemtográficas anteriores. Ele seria baseado na graphic novel Hercules: The Thracian Wars, que narra a história de um Hércules amargurado, sem família e que encontra em batalhas sangrentas um motivo para viver. Ao longo dos anos, ele se une a seis outros lutadores que rodam o mundo em busca de lutas bem pagas, onde podem liberar seus demônios interiores. Quando o rei da Trácia os contrata para ensinarem o exército real a lutar, eles são obrigados a ver o quanto desceram e o que se tornaram graças à sede de sangue do grupo. Escrita em 2008 por Steve Moore e Admira Wijaya, a HQ já estava na mira de grandes produtoras e o público tem se mostrada receptivo a este tipo de filme nos últimos anos.

Pelo roteiro, teremos pouca mitologia em si e mais porradaria a la 300, algo mais sombrio e realista. Deve haver algum tipo de menção aos famosos trabalhos do herói, já que ele é desenhado coberto com a pele do Leão da Neméia. Se o projeto for pra frente, teremos Hércules na telona em 2014.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Trailer imortal

E a mitologia está com tudo na telona mesmo. Recentemente falei dos novos cartazes para o filme Immortals. Agora, vocês podem ver o trailer:



Totalmente 300, né? E essa capacete do Mickey Rourke (Hipérion)? Bom... pelo menos, dessa vez parece que veremos deuses em ação!

segunda-feira, 2 de maio de 2011

O universo interativo de Thor

A Marvel divulgou um interessante guia interativo para o universo de Thor. Viaje abaixo para Midgard (Terra), Asgard, Jotunheim, a Ponte do Arco-Íris e conheça os personagens do filme através de imagens e clipes. Ao final, você será recompensado com uma imagem inédita do observatório de Heimdall.

domingo, 1 de maio de 2011

Filme dos deuses!


Essa semana aqui no blog foi toda voltada para a mitologia escandinava porque ela culminaria no filme Thor (Thor, 2011) que estreou nesta sexta-feira. Assim, tanto eu quanto os leitores do blog poderiam ter informações bem frescas das lendas que inspiraram a produção.

A primeira crítica que havia lido do filme caía em cima das incongruências mitológicas, dizendo que o filme era só mais um blockbuster de super-heróis. Fiquei meio apreensivo, mas a proposta do filme é adaptar o personagem mitológico dos quadrinhos Marvel (criado por Stan Lee, Larry Lieber e Jack Kirby, em 1962) e não a divindade escandinava. Nada que me impedisse de ir ao cinema para ver mitologia e quadrinhos: três das coisas que mais gosto nessa vida! Então... vamos lá! Será difícil omitir alguns detalhes do filme que são fundamentais, portanto, preparem-se para alguns spoilers.

Frigg e Sif

  • Jane Foster não era uma cientista nas HQS, mas uma enfermeira. A idéia era colocar uma mulher que ajudava pessoas doentes ensinando a humildade necessária a Thor. Mas a transformação dela em astrofísica caiu como uma luva nos objetivos do filme e de suas continuações.
  • Donald Blake, o ex-namorado de Jane Foster no filme, é, na verdade, o alter ego de Thor na Terra dos quadrinhos. Quando ele é banido por Odin e perde seus poderes, ele tem sua alma fundida ao terráqueo e seu martelo Mjolnir se transforma em uma begala. Ao bater a bengala no chão, Don vira Thor com todos os seus poderes e martelo.
  • A questão sanguínea de Loki está nas HQs e na mitologia, mas ficar azul-Avatar é novidade. Provavelmente para dar um chamariz visual ao filme.
  • O sono de Odin do filme é muito rápido. Nos quadrinhos, é bem longo. Aliás, foi uma premissa repetida para as aventuras do herói, uma vez que, durante o descanso do Todo-Poderoso, todos os inimigos queriam atacar Asgard. Desconheço esse sono na mitologia. Pesquisarei quando falar sobre o deus.
  • Esperava um Volstagg bem mais obeso. E a Marvel já conseguiu deixar um ator forte bem gordo em seus filmes (veja o Blob de Kevin Durand no filme Wolverine). Pelo menos a fome compulsiva aparece em um dos momentos do filme.
  • Fandral (Josh Dallas) está ótimo... mas Hogun (Tadanobu Asano) asiático? E com sotaque??? Essa cota racial politicamente correta gerou uma discussão intensa no momento que escalaram o ator negro Idris Elba para fazer Heimdall. Se a mitologia é NÓRDICA, como ter asiáticos e negros entre suas divindades? A melhor explicação dada é que deuses estão além da cor da pele, assim como Jesus não seria branco europeu por ter nascido numa área predominantemente árabe. Tá... com Heimdall funcionou, porque Idris Elba segurou as pontas do personagem. Mas Hogun não.

Hogun, Fandral, Vostagg e Heimdall
  • O post de ontem sobre Yggdrasil e os nove mundos vale a pena ser lido antes do filme. Dá uma boa contextualizada. Inclusive é o momento do filme onde Thor diz que tecnologia e magia se unem, mas na verdade é uma explicação para juntar o deus com o Homem de Ferro no vindouro filme d'Os Vingadores. Aliás, o que realmente parece unir tecnologia e magia no filme é Bifrost, a ponte dimensional do filme que é aberta pela espada de Heimdall e pode levar qualquer um pra qualquer lugar. Bom... Bifrost é a ponte que leva de Asgard a Midgard e só. Heimdall é só o sentinela que a tudo vê e ouve. Jotunheim e os outros reinos eram alcançados por meio de longas jornadas, tanto na mitologia quanto nas HQs. Entendo que a necessidade de adaptação transformou a ponte - que, por sinal, ficou bem interessante num acrílico furta-cor, mesmo que sua representação seja a de um arco-íris mesmo.
  • Os gigantes do gelo azuis não são referência pra mim. Que eu saiba tanto na mitologia quanto nos quadrinhos, eram de pele alva. A idéia de armas de gelo foi muito boa, considerando que as representações de barbas e cabelos sempre eram congeladas.
  • A armadura Destruidor é das HQs. Sempre muito poderosa foi muito bem representada na telona. Assutadora. E aquela girada que ela dá na Sif (Jamie Alexander) foi de tirar o fôlego!
  • Ver Sleipnir (o cavalo de oito patas de Odin) e Caixa do Inverno Eterno foi um brinde extra inesperado por mim. Um brinde mitológico... porque também teve o brinde quadrinístico na pele do Gavião Arqueiro (o agente Barton e fica com uma flecha apontada para Thor numa parte do filme).

Laufey, rei dos gigantes de gelo, a armadura Destruidor e Loki com a Caixa do Inverno Eterno.
  • A beleza dos cenários de Asgard no filme impressiona. Os céus são incríveis! Até Jotunheim (que alguns momentos parece mais Niflheim) ficou bem feita. Mas acho que eles gastaram tanto nesses cenários construídos digitalmente que os cenários “reais” são de filme B.

Asgard, Bifrost e Jotunheim
  • Não gostei muito da edição do filme. Achei os cortes muito óbvios e duros. Alguns momentos parecem corridos demais. No entanto, todas as cenas fazem sentido para a história. Assim como Odin, o diretor Kenneth Branagh parece ter um propósito por trás de todas as cenas.
  • Natalie Portman deu uma entrevista logo após seu merecido Oscar por Cisne Negro (Black Swan, 2010), falando que fazer este filme foi a salvação de sua vida, pois ela estava nos primeiros meses de sua gravidez e completamente travada emocionalmente depois da intensidade da bailarina que protagonizou. E ela faz bem a doçura a Jane Foster. Nada demais. Aliás, nenhuma atuação merece destaque, mesmo com as presenças de Anthony Hopkins (Odin) e Rene Russo (Frigg). Talvez o britânico Tomas Hiddleston que faz Loki. Quem conhece o personagem sabe que a cara de cínico que o ator emprega é perfeita! É possível ver toda a fragilidade psicológica do deus.
  • Mas... cá entre nós... Chris Hemsworth é Thor! Em gênero, número e grau! Quase como Robert Downey Jr. é Tony Stark no Homem de Ferro (Iron Man, 2008). Sua cena principal é quando não consegue reerguer o martelo e depois se desculpa com Loki. O praticamente-estreante-em-Hollywood deu conta do recado.

Thor arrogante e Thor frustrado.
  • Darcy (Kat Dennings) foi escalada para ser o alívio cômico. Até consegue... mas, pra mim, a melhor piada esta na referência cruzada dos asgardianos na Terra com personagens da ficção: Xena, Robin Hood...
  • Interessante como americano é bobo. Falar "eu te amo" é quase pedir em casamento. Um beijo na boca é a chave para todo o amor do mundo. E beijar a mão de uma mulher, deixa até Natalie Portman com cara de idiota! Americanos tem problemas sérios.
  • Vi 2D mesmo... 3D não presta! É palhaçada pra vender ingresso mais caro e você fica perdido procurando tridimensionalidade ao invés de se preocupar com a história. Ah... e fiquem até o final! Tem uma ceninha importante para o filme d'Os Vingadores no pós-créditos!

É isso. Fiquei feliz com a película porque ela faz o possível para respeitar o público de cinema, o de quadrinhos e o de mitologia. Vale o ingresso! Pra mim, vale o DVD na estante com certeza!

PS.: Pra terminar: alguém tem aí um Mjolnir pra me dar? Não sei se sou digno, mas o martelo é muito legal, não?