domingo, 26 de maio de 2013

Regiões mitológicas

Clique para aumentar

terça-feira, 21 de maio de 2013

Chang-o

Uma famosa lenda chinesa nos conta como Chang-O se tornou a Dama da Lua, mas são inúmeras as versões ou pequenas variações. Vou colocar algumas delas em outra cor.

Chango-O e seu marido, o herói arqueiro Hou-Yi, foram banidos dos céus pela Grande Rainha, depois que ele matou alguns de seus filhos. Arrasado, Yi enfrentou inúmeros perigos para recuperar sua imortalidade. Acabou sendo presenteado por Xi Wangmu com a Pílula da Imortalidade (ou um Elixir da Vida que teria sido roubado da Rainha dos Céus). Assim que chegou em casa e contou para Chang-O, foi novamente chamado para uma missão divina. Hou-Yi pediu que sua esposa guardasse em segredo a pílula para que eles tomassem juntos assim que ele voltasse da missão, avisando que só metade dela daria a imortalidade (Alguns dizem que ela não sabia o que era, mas foi tentada pela maravilhosa fragância).

Mas a curiosa esposa não aguentou e resolveu comer sua metade logo que seu marido saiu. Porém, Hou-Yi precisou voltar e, temendo ser punida, Chang-O engoliu a pílula inteira. A overdose mágica fez com que a mulher começasse a flutuar sem parar e seu marido não conseguiu alcançá-la.

Temendo uma punição divina (ou as flechas certeiras do marido), Chang-O se escondeu na Lua, onde encontrou a Lebre de Jade. Pediu que ela a ajudasse a criar uma nova pílula que a fizesse voltar à Terra, mas até agora nada conseguiu. Algumas histórias dizem que ela teria sido transformada em um sapo de três pernas (as fases lunares) no caminho até a Lua.

Ocasionalmente, é chamada ao convívio dos deuses, mas fica relutante em ir por ter se envolvido com um espírito. É simpática aos amantes e possui um festival em sua homenagem no décimo quinto dia do oitavo mês lunar (quando Hou-Yi poderia visitá-la). É também chamada de Zhang-O ou Chang'E.

Muitos a colocam como o princípio feminino da Lua (Yin) e seu marido como o princípio masculino do Sol (Yang), porque, na versão em que o elixir teria sido roubado, a Rainha dos Céus puniu o casal transformando-os nos astros que não se encontram nunca.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

A mitologia inuíte

Esquimós são povos indígenas que habitam tradicionalmente as regiões em torno do Círculo Polar Ártico, no extremo norte da Terra, como como o leste da Sibéria, o norte do Alasca e do Canadá e a Groenlândia. Os povos do Ártico canadense são conhecidos pelo nome Inuit, que significa "povo".


O Ártico é um mundo inóspito de ventos muito frios, coberto de gelo e neve, onde a agricultura é impossível e a caça e a pesca constituem as fontes tradicionais de alimento. Por milhares de anos, os Inuítes observaram atentamente o clima, as paisagens terrestres e marítimas, e os sistemas ecológicos de um dos ambientes mais inóspitos e exigentes do planeta para desenvolver habilidades e tecnologias peculiares e adaptadas.


A mitologia inuíte também sofre grandes influências desse meio ambiente árido, onde as pessoas dependem dos animais para vestuário, ferramentas, abrigo e alimentação. Por isso, os animais desempenham um papel-chave nos mitos, seja como ajudantes da humanidade ou presas pelas quais o caçador deve mostrar o maior respeito. O mundo marinho também é importantíssimo. Mas o cosmos inuíte não é governado por ninguém. Não há uma figura divina, seja maternal ou paternal. Não há deuses criadores do vento ou do Sol. Não há punição eterna na vida futura, assim como não há punição para crianças ou adultos na vida presente.

Eles acreditam que quase tudo tem uma alma (inua). Animais, rochas, árvores e rios tem inua, assim como acidentes geográficos perigosos, como as geleiras. A inua é em geral retratada com uma face humana num olho, dorso ou peito de animal. Os viajantes cuidadosos faziam oferendas de carne a elas. Acreditando que todos as coisas tem uma alma, matar um animal não é muito diferente de matar uma pessoa. Uma vez que a alma do animal ou humano é liberada, ela está livre para se vingar. Os espíritos dos mortos só podem ser aplacados pela obediência aos costumes, evitando os tabus e executando os rituais apropriados.


Embora a alma de cada indivíduo fosse única e apropriada para a vida e corpo que ela habitava era, ao mesmo tempo, parte do todo. Isto permitia aos inuítes emprestar os poderes ou características de uma alma pelo uso de seu nome. Além disso, os espíritos de uma classe de coisas (os mamíferos marítimos, ou ursos polares, ou plantas) eram, de alguma maneira, considerados como o mesmo, e podiam ser invocados através de um guardador ou mestre que estava em contato com aquela classe de coisas. E, assim como os sacerdotes das outras religiões norte-americanas, os xamãs inuítes (angakuq) eram as únicas pessoas com algum contato com o mundo espiritual. Em suas cerimônias, tentavam influenciar os espíritos para que ajudassem a curar os doentes e propiciassem boas caçadas e pescarias. É dito que os primeiros xamãs foram Ivivarshuk e Nisguvaushaq.

Muitas comunidades inuítes continuam a praticar as danças e canções tradicionais, que incluem dança de tambores e canto gutural feminino. A tradição oral e a narração de histórias ainda permanecem bem vivas na cultura inuíte, com lendas passadas entre as gerações ao longo dos séculos, que freqüentemente falam de espíritos poderosos que habitam a terra e o mar.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

ENQUETE RESULTADO: Inuítes

Por alguma razão que ainda não consegui descobrir, a enquete aqui do blog só computou 3 votantes, quando foram 12 na verdade. Assim, não terei como dar o resultado completo. Porém, somando os votos daqui e os do Facebook, o ranking de postagens ficou da seguinte forma:
  1. INUÍTE
  2. Chinesa
  3. Polinésia
  4. Hindu
  5. Grega
  6. Egípcia
  7. Celta
  8. Brasileira
  9. Asteca
  10. Romana
  11. Norte-Americana
  12. Japonesa
  13. Inca
  14. Finlandesa
  15. Eslava
  16. Africana
  17. Australiana
  18. Escandinava
  19. Maia
  20. Mesopotâmica
Enquanto eu escrevo a próxima postagem inuíte, divirta-se com a mitologia vencedora!

segunda-feira, 6 de maio de 2013

ENQUETE: Próximo post

Até a próxima segunda-feira, estarei fazendo uma enquete (aqui do lado e no Facebook) para saber sobre qual mitologia será a próxima postagem. O resultado criará um ranking que determinará a procedência das próximas 20 divindades.

Participem!

quarta-feira, 1 de maio de 2013

ATUALIZAÇÃO: Bragi

Com a entrada deste blog no Facebook, encontrei outras referências e grupos de discussão sobre assuntos mitológicos. Entre tantos, a página da comunidade sobre Mitologia Nórdica traz boas informações e a utilizei para atualizar a postagem sobre Bragi, o sábio deus da poesia.