terça-feira, 26 de abril de 2011

Freya

Gravura de Feya-Mardöll, por Jenny Nyström (1854-1964)

Freya é a deusa mãe da dinastia Vanir na mitologia nórdica. Filha de Njord e Skadi, e irmã gêmea de Freyr, ela é a deusa do sexo e da sensualidade, fertilidade, do amor, da beleza e da atração, da luxúria, da música e das flores. É também a padroeira da colheita e do nascimento, da magia e da adivinhação.

De caráter arrebatador, teve vários deuses e mortais como amantes e é representada como uma mulher atraente e voluptuosa, de olhos claros, baixa estatura, sardas, trazendo consigo um belíssimo colar mágico de âmbar e rubis (Brisingamen, que obteve dormindo com os Brisings, quatro anões que o fizeram, Alfrigg, Berling, Dvalin e Grerr) e um manto de penas chamado Valhamr (que a permitia se transformar em falcão). Andava em uma carruagem puxada por dois gatos azuis, na companhia de Hildesvini (seu amante mortal Ottar transformado em um javali de batalha com presas de ouro). Teria sido vista também como uma porca ou uma cabra.


Freya se mudou para Asgard para viver com os Aesires como símbolo da amizade criada depois da grande guerra. Lá ela mora no palácio Folkvang (Campo do Povo) com sua criada Fulla. Ela compartilhava os mortos de guerra com Odin: metade dos homens e todas as mulheres mortos em batalha iriam para seu salão Sessrumnir no Valhalla. Tornou-se líder das Valquírias. Quando cavalgava os céus com sua armadura, tornava-se a Aurora Boreal.

Diz a lenda que ela estava sempre procurando, no céu e na terra, por Odur, seu marido perdido, enquanto derramava lágrimas que se transformavam em ouro na terra e âmbar no mar. Por isso, podia ser a deusa da riqueza. Com Odur, foi mãe de Hnossa (jóia) e Gersimni (preciosa). Mas tinha uma suposta e secreta paixão por Loki e era desejada pelos gigantes. A demora em encontrar Odur fez com que ela se tornasse promíscua. Quando o encontrou, Odur havia se tornado um horrendo monstro marinho, mas ela se manteve a seu lado até sua morte acidental. Ela o reclamou no Valhalla, onde ele vive em Sessrumnir.

Freya também é chamada de Fréia, Freja, Freyja, Frauja, Fremantle, Frowa e Froya. E ainda tinha os epitetos: Vanadis (deusa dos Vanir), Mardöll (brilho do mar), Hörn (cabelos de ouro), Gefn (dadivosa) e Syr (semeadora). Já sabemos de sua confusão com a deusa Frigg, mas agora vemos suas distinções. Ela também é associada a inúmeras deusas gregas e egípcias, mas nenhuma é tão abrangente quanto ela.

Freya, pintura à óleo de John Bauer (1882-1918)

3 comentários:

  1. Não sei se isso é exatamente uma dúvida.
    Até que ponto Freya, deusa do sexo e da sensualidade, fertilidade, do amor, da beleza e da atração, da luxúria, é a representação mitológica do comportamento sexual muito mais liberal, muito mais despido do conceito de pecado (fruto da civilização judaico/cristão) dos povos da Escandinavia até os dias de hoje?
    Estou achando a mitologia escandinava bastante pragmática.

    ResponderExcluir
  2. é por aí mesmo. até mesmo o conceito de incesto é relativo e existem contos sobre sua relação com Freyr, seu irmão.

    ResponderExcluir
  3. O incesto foi uma prática frequente na maioria dos povos da Antiguidade, quer oriental, quer ocidental. Mas nesse caso a questão não é só o conceito de pecado da cultura judaico/cristã/islâmica.
    Observações empíricas levaram à constatação de inúmeros problemas físicos e mentais gerados pela consanguinidade.
    Desde a Idade Média a Igreja Católica proibiu casamentos entre parentes acho que até o 7º grau (não tenho certeza); entretanto por uma boa soma o Papa poderia autorizar coisas incríveis.
    Só como exemplo: foi autorizado o casamento de Dª Maria da Glória, filha de D. Pedro I com seu tio, D. Miguel, irmão de D. Pedro.

    ResponderExcluir