quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Sucellus e Nantosuetta

Estátua em bronze de Sucellus.
Museu Nacional de Arqueologia (França)
Qualificado como rei dos deuses, Sucellus (Sucellos) era, na verdade, um deus da fertilidade da terra, da agricultura. Seu nome significava "o que bate bem", por carregar um grande martelo de cabo longo, usado para bater na terra e acordar as plantas, anunciando o início da primavera. Era representado como um barbudo de porte atlético coberto apenas com uma pele de lobo. Se aparecesse com vestes estampadas de círculos e cruzes, estava ligado aos céus. Às vezes, segurava um tonel de vinho ou uma taça, mostrando ser responsável pelos banquetes dos deuses e padroeiro das bebidas alcoólicas.

Sua mulher era uma deusa da água, Nantosuetta (ou Nantosuelta, "rio serpeante"), outra figura da fertilidade, que era também deusa do lar. Suas águas eram curativas e revigorantes. De cabelos cacheados soltos, carregava uma cornucópia, símbolo de abundância, e, muitas vezes, corvos a rodeavam. Dizia-se que cuidava das raízes das plantas e, portanto, poderia passear pelo Reino Subterrâneo. Alguns mitos a colocavam até como governante ou responsável por guiar os espíritos. Dessa forma, foi comparada a Perséfone grega.

Estátuas dos dois juntos eram comuns em domicílios celtas, associadas à prosperidade. Foram adorados principalmente na Lusitânia (Portugal) e na Gália (França). Nantosuetta foi associada a Morrigan entre os celtas britânicos.

3 comentários:

  1. Travei contato com a cultura celta em viagem pela Inglaterra e Escócia, o que foi uma experiência incrível e estimulou familiares próximos a fazerem o mesmo
    As dificuldades de sobrevivência desse povo numa região de clima inóspito fizeram-no reverenciar a natureza, sua grande companhia. Ela fornecia abrigo e alimento.
    As religiões primitivas louvavam as pedras e montanhas, os campos e florestas, os rios e oceanos.
    A Voz da Floresta era uma ponte mítica entre o mundo dos deuses e o dos homens, entrelaçado com a veneração que os Celtas tinham pelas árvores.
    Como uma representação do universo, as raízes das árvores habitavam o solo, o conhecimento profundo da Terra. E o tronco unia as raízes ao céu, trazendo este conhecimento à luz.
    Isso talvez explique porque Sucellus batia na terra com seu martelo para acordar as plantas e despertar a primavera. Faz também o maior sentido sua mulher Nantosuetta, carregar uma cornucópia, símbolo da abundância.
    A fome foi uma constante entre os celtas dessa região e só a intervenção dos deuses poderia lhes dar a esperança de sobreviver ao inverno inclemente.
    Lastimavelmente, desde o domínio romano, e, depois, instigado pelo catolicismo, as culturas druídica e celta foram alvos de severa e injusta repressão, fazendo com que desaparecessem preciosas informações a respeito delas embora conste que Júlio César reconhecia a coragem que os druidas e celtas tinham em enfrentar a morte em defesa de seus princípios.
    Vale registrar que, especificamente, na região da Inglaterra e Escócia, os romanos acabaram indo embora por entenderem não ser possível tirar algo de mais util daquele terra.
    Parece que eles erraram, não acha?

    ResponderExcluir
  2. quais eram as habilidades de Sucellus?

    ResponderExcluir
  3. no primeiro parágrafo tem uma descrição rápida das capacidades de Sucellus como deus da fertilidade da terra, da agricultura. se encontrar mais informações, atualizarei o post.

    ResponderExcluir